De Volta ao País do Futuro!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

future e1437599759572 De Volta ao País do Futuro!

O Varejo foi dormir no século XXI e acordou no século XX, convivendo com juros altos, inflação subindo e renda caindo! Essa é a má notícia, a boa notícia é que essa realidade vale para todos. Então amigo, me lembro daquela velha paródia dos dois homens perdidos na selva e que encontram o leão. O primeiro começa a correr, e o segundo se preocupa primeiro em amarrar bem o tênis, e questionado o porque ele estava se preparando para correr e não correndo do leão, ele respondeu: não vou correr contra o leão meu caro, quero apenas me assegurar que vou correr mais que você!

 

Sempre digo a nossos clientes que não somos melhores do que ninguém, mas como fornecedores de serviço para o varejo, somos expectadores privilegiados, que vivem o varejo no seu dia-a-dia e somente por isso podemos falar com certa propriedade do que acontece nos subterrâneos e nas entranhas do varejo brasileiro.

 

Essa situação também nos leva a ser consumidores atentos e bastante questionadores. Vou contar um caso que aconteceu comigo recentemente como consumidor. Estive acompanhando a minha esposa em uma compra de roupas de cama e similares para o quarto dos meus filhos. Ela já havia procurado na internet e já sabia o que queria, então era somente ir na loja, resolver o problema e sairíamos para jantar, coisa rápida segundo ela. Quando chegamos à loja, parte dos produtos não estava disponível, a vendedora nos disse que a mercadoria provavelmente chegaria amanhã, e que poderíamos retornar no dia seguinte e assim concluir a compra. Fiquei espantado, nós estávamos ali para gastar em meio a “crise” e a vendedora disse para voltar depois, é isso mesmo produção?

 

Não me contive, e comecei uma serie intermináveis de questionamentos à vendedora e que continuou após a intervenção da gerente de loja. O resumo da ópera foi que depois 01 hora e meia, dezenas de telefonemas e discussões acaloradas, conseguimos comprar com a promessa de entrega futura. Isto aconteceu em uma rede com mais de 50 lojas no Brasil, e confesso a vocês que como consumidor posso afirmar que essa situação é muito mais frequente do que se imagina. E porque estou contando isso? Simplesmente porque ilustra, de maneira objetiva, que o nosso varejo precisa desesperadamente de processos, de sistemas e de pessoas que façam a coisa acontecer. Não podemos continuar vivendo assim, até quando vamos ver o varejo reclamando das vendas e colocando a 100% da culpa na Dilma?

 

Bom, para todos aqueles que se prepararam nos anos de glória do varejo, e aproveitaram a bonança para organizar a casa e fizeram o dever de casa, não há o que temer. Com certeza vocês amarraram bem o tênis e agora estão correndo bem mais que os concorrentes.

 

Ainda assim não será uma situação agradável, mas como vocês passaram a ter a empresa na mão, os indicadores devidamente controlados e a situação fiscal resolvida, a travessia do deserto será bem mas tranquila. Para todos os outros, resta fazer como o Brasil, arrumar a casa no meio da crise, não é o ideal, mas com certeza está longe de ser o fim do mundo, e não esqueçam da gente. Estamos aqui para ajudar a todos vocês! Aos varejista do primeiro grupo: podemos ajudá-los a turbinar as vendas e a crescer na crise. E aos varejista do segundo grupo: lembramos que temos processos, tecnologia e pessoas para rapidamente fazer o dever de casa e ajudá-los a permanecer no jogo!