9 tipos de estoque: conheça cada um deles e sua importância no varejo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

A gestão de estoques é um dos pontos mais importantes em uma operação de varejo. Afinal, envolve diversas áreas, desde o processo de compras, lançamentos contábeis, controles financeiros, vendas e muito mais.

Por isso, tanto estoques excessivos, que se tornam caros e podem acabar ficando encalhados, como estoques insuficientes, que além de gerar perda de vendas abalam a credibilidade da marca, são muito prejudiciais para um negócio de varejo.

Dessa forma, conhecer os principais tipos de estoque e para que servem pode ser muito útil para quem trabalho nesse ramo.

Confira alguns tipos de estoques e como gerenciá-los em sua empresa.

Leia também: Você vende o que compra, ou compra o que vende? Aprenda como planejar um estoque

Quais os tipos de estoque mais comuns no varejo? Veja 9!

1- Estoque de antecipação

Também conhecido como estoque sazonal, este tipo de estoque é usado para a empresa se manter abastecida em épocas de alta demanda, mas que só ocorrem em determinados períodos do ano.

Muito comum em datas comemorativas, como Natal, Dia das Mães e Páscoa, ou em datas cíclicas, como volta às aulas e o período de férias.

2- Estoque consignado

Muitas vezes um varejista, além de suas lojas próprias, conta com outros canais de distribuição.

Por exemplo: uma marca de roupas vende em sua rede de lojas, mas também tem seus produtos vendidos por lojas multimarca.

Nesse caso, é comum que se faça a chamada venda consignada. Isto é: a loja multimarca fica com os produtos em seu estoque por determinado período de tempo. Os expõem e tenta vender.

Caso não consiga, ela devolve os produtos não vendidos.

Durante o período em que ficaram nas lojas multimarca, essas mercadorias ainda eram propriedade da empresa, por isso, fazem parte de seu estoque, que recebe o nome de estoque consignado.

Veja mais neste post: Livraria Leitura investe em tecnologia para crescer

3- Estoque de ciclo

Empresas que vivem inovando e mudando as mercadorias que vendem, como moda, por exemplo, precisam manter estoques abastecidos de diferentes produtos, que, em pouco tempo, podem já não ser mais interessantes.

Isto é: existem ciclos de vendas de determinados produtos que se iniciam, crescem e depois “morrem”.

A empresa precisa ficar muito atenta para manter os estoques “no limite”, tanto para não ter perdas por excesso de estoque, nem deixar de vender por falta de mercadorias.

Esse é um dos tipos de estoque mais difíceis de gerenciar.

4- Estoque inativo

Esse estoque é popularmente chamado de “encalhe”. São produtos que não venderam na época certa e agora são um “mico” para a empresa.

Existem alternativas para vendê-los, como promoções de vendas e saldões.

Mas é preciso ter cuidado com isso para não manchar a imagem da marca, vendendo  mercadorias muito baratas.

Uma outra opção é passar essas mercadorias com preço baixo para lojas especializadas em pontas de estoque ou os chamados outlets.

5- Dropshipping

Na verdade, esse tipo de estoque se caracteriza pela empresa não ter estoque. O que acontece, principalmente no e-commerce, é que a loja faz a venda, mas a mercadoria ainda está com o fabricante ou distribuidor.

Assim, quando o cliente faz o pedido, ele vai direto para esses fornecedores que fazem a entrega, sem que a empresa que faz a venda se envolva na estocagem.

6- Estoque de proteção

Nesse caso, a empresa opera com uma margem de segurança. Assim, mesmo calculando os lotes de estoque ideias, ela prefere manter algumas unidades a mais, garantindo que não perderá vendas.

Produtos de alto valor e margem de lucro, que ocupam uma pequena área de estocagem podem se beneficiar desse tipo de estoque.

7- Estoque de contingência

Trata-se de uma camada de proteção a mais em relação ao estoque citado acima. Muito usado por postos de gasolina, por exemplo, quando se dão conta que pode haver uma greve ou falha na distribuição.

É uma medida excepcional para se manter no mercado enquanto os concorrentes deixam de operar por alguns dias, obtendo assim altas margens de lucro.

8- Estoque regulador

Um estoque central ou que fica em uma das filias da rede para suprir as demais em caso de necessidade.

É importante escolher muito bem o local para esse tipo de estoque. Deve ser naquela unidade que se encontra mais próxima de todas as outras, geralmente a mais central delas.

9- Estoque de canal

Também chamado de estoque em trânsito, trata-se do estoque daquelas mercadorias já adquiridas e que estão sendo transportadas para sua empresa, assim como aquelas que vão de sua empresa para filiais.

Quer mais dicas de controle de estoque? Então, confira esta vídeo aula produzida pela Metodista Web TV e saiba tudo sobre esse assunto:

Veja mais: Como as exigências do Bloco K afetam sua gestão de estoque?

Esses são alguns dos principais tipos de estoques que podem ser operados no varejo.

E, como você viu, o controle das quantidades de mercadorias, dos indicadores de gestão de estoques e suas variações podem ser bem complexas.

Para facilitar esse trabalho, o ideal é contar com um sistema de controle de estoque integrado, de preferência um ERP para varejo.

Assim, vendas, frente de caixa, logística, compras, financeiro e diversos outros departamentos de sua empresa tem as informações compartilhadas, tornando a gestão de estoques muito mais ágil e eficiente, por meio do uso de um software.

Saiba mais: Fique de olho nestes indicadores de estoque e evite que sua loja fique sem produtos

Nenhuma outra empresa de software entende tanto dos setores de varejo de Móveis e Eletroeletrônicos, Material de Construção, Moda e Calçados e Autopeças como a Nérus. Um software desenvolvido por varejistas experientes e que tem tudo que você precisa. Ligue agora para um de nossos consultores: (11) 3509-2010.

Quer saber mais sobre a tecnologia no varejo? Então, baixe nosso e-book gratuito: 5 passos para promover a transformação digital no varejo