Cenas medievais na Era das Nuvens

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 LinkedIn 0 0 Flares ×
cyborg evolution 2014 Cenas medievais na Era das Nuvens
Cena 1 – montando um servidor…

Há 12 meses ou mais, entrei na empresa e ao passar em frente ao departamento de infra-estrutura da EAC vi algo “esquisito”: um servidor (computador) aberto, sem tampa, com as “entranhas” voltadas para fora…  Fios, placas, cooler, memória, microprocessadores, etc… Confesso que era algo que não via há anos de forma tão crua…

Não me contive e perguntei ao nosso técnico:

– “O que você está fazendo?”

Ele prontamente respondeu:

– “Estou montando o servidor para um cliente de pequeno porte que fechamos há pouco tempo!”

Ah, claro! Um servidor sendo montado. Agora entendi.

Mas insisti ainda curioso:

– “Quanto tempo acha que vai gastar? “

 Ele respondeu:

“- Coisa rápida, no máximo amanhã fica pronto, SE TUDO FUNCIONAR”, frisou…

“Ah, entendi”… refleti sozinho. Certamente vai gastar uns 2 ou 3 dias nisso, pensei…

Me senti no século XII, possivelmente na Espanha ou Portugal, discutindo a montagem de uma “roda d’agua!”

Cena 2 – Upgrade de memória de “servidor em colocation”

Há aproximadamente 2 anos, um cliente de maior porte da EAC, precisava fazer um upgrade de memória. Contudo, dado o porte e “baixa tolerância a falha”, ele já utilizava os serviços de um “colocation”. Para os “não iniciados em tecnologia da informação”, o colocation é um serviço prestado pelos “modernos datacenters”… Funciona assim: você compra um servidor e  aluga o espaço no datacenter. Ou seja, o computador é propriedade (feudal) do cliente mas o espaço, energia, refrigeração e uma pequena parcela de monitoramento é feita pelo (servo) datacenter.

Como comentei, este cliente precisava de aumentar a memória do servidor. Ok, orientamos o Cliente e ele disparou o “eficiente processo”:

1) Enviou especificação da quantidade de memória que ele precisava para o fornecedor

2) Negociou as condições de pagamento e logística

3) Aguardou cerca de 30 dias para receber a memória pois se tratava de memória especial

4) Recebeu a memória em sua empresa

5) Comprou uma passagem de avião para o técnico da empresa levar ao datacenter

6) Parou o servidor por 1 ou 2 horas, trocou a memória e iniciou novamente a máquina

7) Dando tudo certo, depois de 45 a 60 dias, conseguiu aumentar a memória do servidor. Máquinas em colocation normalmente são tratadas caso-a-caso!

Acompanhei tudo isso de perto.

Me senti já mais moderno, no século XIV, possivelmente na Holanda, discutindo o conserto de um “moderno moinho de vento”.

Na Idade das nuvens

Ora, depois de longas discussões com estes Clientes migramos todos eles para a nuvem (AWS, nosso parceiro homologado). Nunca mais precisamos de sofrer com nada disso.

No primeiro caso, temos serviços prontos no marketplace da AWS que liberam um conjunto de servidores de alta disponibilidade em 30 ou 60 minutos a um preço extremamente competitivo. No segundo caso, upgrade de memória, isso se faz no console da AWS com 2 ou 3 cliques. De forma Imediata, “a quente”.

Temo dizer que MUITAS empresas ainda desconhecem este tipo de serviço que hoje são fartamente oferecidos pelo mercado. Continuam a viver a TI de uma forma arcaica, cara, arriscada e desgastante. Não acho que a nuvem irá resolver todas as questões mas precisamos mudar e evoluir nossos paradigmas para nos preocuparmos com as questões críticas do nosso negócio. Qual o sentido de trazermos o problema para dentro de casa se podemos buscar soluções mais eficazes e baratas no mercado?

Nossas soluções de Gestão de Redes de Lojas para o Varejo (EOS / ERP) já estão totalmente adaptadas para este tipo de arquitetura e todos nossos Clientes já podem usufruir desse novo cenário. Aliás, um novo cenário que ainda não foi explorado e continua quase desconhecido pelo varejo.

Saia da Era Medieval da TI e passe rápido para a ERA das Nuvens. E se o seu parceiro de tecnologia não ajudar, dê preferencia para a Nérus! :)