O segredo do sucesso na conciliação de cartão: quando a ferramenta encontra o processo

O segredo do sucesso na conciliação de cartão: quando a ferramenta encontra o processo

conciliadora O segredo do sucesso na conciliação de cartão: quando a ferramenta encontra o processo

Não são poucos os varejistas que nos procuram desejando conciliar e manter bem controlada as vendas e as antecipações do cartão de crédito. Este movimento é louvável e mostra como o varejo despertou para o monitoramento deste principal meio de pagamento que em algumas capitais já respondem por mais de 80% das vendas.

Mas quando colocamos o monitoramento e a conciliação automática para funcionar na grande maioria das vezes encontramos algumas divergências nas transações. Geralmente são vendas que não passaram pelo TEF e que portanto foram inseridas manualmente pelo operador do sistema no ERP.  Quando começamos a investigação para verificar o por quê do ocorrido, sempre encontramos falhas de processo na operação de caixa.

É perfeitamente compreensível que muitas vezes no afã de prestar um bom serviços ao cliente, passa-se por cima de várias regras que são impostas pela gerência justamente para não termos inconformidade no decorrer dos processos. Mas temos que ter uma medida certa entre controlar e atender as necessidades dos clientes, que por mais importante que seja não deve levar a perda de controle da operação.

Como desenvolvedores de solução para o varejo, sempre ficamos pressionados para poder permitir fazer tudo o que o cliente gostaria mas sempre manter o controle da operação, e a linha é sempre muito tênue. Vejamos um exemplo que irá ilustrar o caso: um cliente deseja passar um cartão de uma bandeira pouco usual e que infelizmente não é aceito pela adquirente que o varejista está utilizando no TEF naquele momento. Neste caso o TEF não irá funcionar pois teremos que criar um novo roteamento e cadastrar uma adquirente que aceite e valide esta nova bandeira. Para resolver a questão, o operador passa a venda no POS de uma outra adquirente que está como reserva na loja. Mas como o operador não foi treinado e não sabe como finalizar esta venda, e coloca como venda a vista em dinheiro e segue atendendo a fila no caixa.

No final do dia, o caixa dele não irá fechar pois vai faltar o dinheiro da venda que ele passou no POS e a venda em cartão de crédito também não vai fechar porque o sistema entendeu que a venda foi em dinheiro. Exemplos como este acontece o tempo todo e não só nas vendas mas principalmente nas devoluções, nas trocas, e em toda cadeia de atendimento no varejo.

Portanto, ter um processo detalhado, bem descrito, seguro e que aborde todas as possibilidades é essencial para que, nós profissionais da automação, consigamos dotar o sistema com todos estes recursos necessários e que são vivos no varejo, ou seja, as necessidades são criadas no dia-a-dia e tem que ser sempre monitoradas, construídas e adaptadas em conjunto entre o varejista e seu fornecedor de solução.

Nosso grande desafio é levar aos varejistas as novas ferramentas pois elas são importantes para reduzir o custo através da automação, mas também levar conhecimento de processos e rotinas que devem ser seguidas para se ter sucesso e alcançar os resultados prometidos, pois do contrário criaremos uma frustração imensa naqueles que acreditarem que apenas a ferramenta irá resolver todos os problemas.

Mas quando a ferramenta certa encontra um processo bem definido e pessoas capazes para operacionalizar e cumprir as promessas o sucesso é certo.

 

-> Insira abaixo seu e-mail e receba, em primeira mão, conteúdos, materiais e dicas exclusivas de nossos especialistas.

  •  

 

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading...
Facebook Messenger for Wordpress